quinta-feira, 31 de março de 2011

Enquanto não vem...

Enquanto a inspiração não vem, alguns posts não acabados estão dormindo no baú.
Para não perder o ritmo dos posts, alguma poucas palavras...

Aliás, nada melhor que um vídeo.
Hoje ensaiei na frente da webcam. Ai que desastre! rs.
Ainda vou postar um video meu, aguardem!

Enquanto não tenho nada para por aqui, escolhi um vídeo.



Bons tempos!!!


Até o próximo post!

domingo, 27 de março de 2011

Depois da Tempestade

Quando precisamos agir, não medimos força para fazer oque tem que ser feito.
Isso é certeza!
Imagine-se tendo que remar contra a maré para chegar à praia, pois no meio do mar não há como ficar para sempre.
Remaremos até o final sem pensar duas vezes, mesmo que o cansaço venha, pois o sol se vai e quando escurecer não haverá mais como se guiar. Usaremos toda nossa força para que consigamos o intento.
Pois é!

A força que achamos nessa hora vem de dentro não se sabe de onde.
Em qualquer situação de alerta teremos que agir sem pensar duas vezes.


E foi oque aconteceu nessas duas semanas pós-tsunami aqui no Japão.

Hoje, no Twitter,perguntava da saúde do @comediantonio que pegou uma forte gripe, e o @Preda2005 perguntou se não havíamos percebido que esse vírus apareceu depois do dia 11. E foi onde me toquei que era verdade. O Márcio dizia que todos estavam sensíveis, pois foi uma pressão muito forte durante esse tempo todo, e o *danado do vírus adora ficar grudadinho em quem tá assim*.

Há muito tempo já havia percebido essa força estranha que todos nós temos, e que quando tudo passa, vem o alívio, e quando ficamos aliviados por conseguir superar, o cansaço que aguentamos por todo o tempo vem à tona.

No caso do Japão, um pouco diferente, foram dias terríveis de apreensão, tristeza, medo, susto, misturado com compaixão, solidariedade, confiança.
Agora que a situação da Usina de Fukushima parece estar sob controle, apesar do perigo da radiação em várias áreas vizinhas, a tensão inicial deu uma aliviada. As imagens do terremoto e tsunami, que nos chocam ainda, já estão menos destacados na mídia.

E vem a parte que nos deixa sensivel, baixando um pouco a defesa que armamos no início, onde tentamos voltar à vida normal na medida do possível.

E é aí que vem o senhor Vírus, em forma de uma gripe, cansaço, dor de cabeça, dores no corpo, etc.
Não sei se há um nome para essa doença, mas sei que agora é hora de relaxar e viver dias de alegria.


Vale conversar com pessoas alegres, passear, viajar, escutar música, fazer oque dá prazer, ou seja, como disse o Márcio, férias!

Saiba distinguir esse sintoma para não te pegar de surpresa.

sábado, 26 de março de 2011

Sabendo, não vai faltar.

Logo após o terremoto, e pelo noticiário que vimos na tv, oque estava acontecendo nas regiões mais próximas era o esvaziamento de certos produtos da prateleira de mercados e lojas de conveniências.

Na corrida pela água nesses dias, faltando na prateleira do mercado, me deixou um pouco abismada.
Na região onde moro, não houve terremoto a ponto de faltar luz, comida, etc.
Mas como há a previsão de um grande terremoto batizado de Tokai para essa região, fez com que muitos acordassem e se preparassem depois do que aconteceu com Sendai.

Confesso que não corri para estocar água, mesmo tendo somente 2 garrafas de 2 litros.
Quando a água estava acabando em casa, na última garrafa, comentando com minha filha mais velha, e ela simplesmente me respondeu: Faz muguichá!  Respondi: é mesmo né?

Muguichá (麦茶)é muito feito aqui no Japão durante o verão. Chá de Cevada.

Já vi num programa que algumas escolas primárias tem esse chá na torneira durante o verão, para seus alunos.
O muguichá tem outras funções além  de matar a sede: combater o cansaço de verão. Costume antigo do Japão que dura até hoje, por suas propriedades.


E foi oque fizemos. Ferver a água, com o saquinho de chá que já vem ensacado, deixar esfriar e pronto!
Enchemos a garrafa de água vazia e depois de frio foi para a geladeira.




Várias marcas, vários modo de fazer. Tem até instantâneo, só dissolver na água.



 E tem os prontos. Em garrafas pet de 1500ml ou de 500 ml, fora os de caixinhas.


Enquanto houver àgua na torneira, tenho a opção de fazer esse chá.
Não tem água? Vai muguichá!
Antecipamos oque normalmente fazemos no Verão, quando sempre temos 2 garrafas desse chá na geladeira.

No caso de famílias que tem crianças menores de 2 anos, é recomendável o uso de água de garrafa, principalmente as que moram na região afetada pela Usina de Fukushima, no norte do Japão.

Ontem,vi no noticiário,a prefeitura da cidade de Hitachi em Ibaraki-ken, distribuiu para essas famílias que tem filhos menores de 2 anos, mediante a apresentação da caderneta da criança.

Então, deixo para quem realmente precisa enquanto tiver opção.


*imagens pego na internet.
  

quarta-feira, 23 de março de 2011

Merecimento

Hoje fiquei sabendo de uma notícia muito boa!
Nosso amigo e blogueiro Alexandre Mauj está concorrendo a um prêmio.
Que alegria a todos que o conhecem!

Veja aqui o trabalho do Alexandre, o blog Lost in Japan, que mostra a beleza do Japão que ele mesmo vê e sente. Nesse período turbulento, foi uma batalha grande para levar informações que a mídia não mostrava, e acalmar muitos aflitos que a mídia mostrava. @Mauj77 é o seu nick no Twitter.



Este é o site onde está sendo feito a votação. Clique em Best Use of Tecnology for Social Good .

Aqui você verá em português.
Esperamos o seu voto!

Estamos torcendo por você, parabéns, Alexandre!

domingo, 20 de março de 2011

Kokoro no Kea 2 心のケア2

Em todas as vias de comunicação vemos campanhas para ajudar as vitimas de Sendai.
Na rádio que escuto no carro, ouvi que empresas grandes estão enviando para doações os produtos que fabricam.
Até uma grande e famosa clínica estética, Takano Beauty, ofereceu plástica no rosto para quem teve ferimentos na face!
Então! Se não tenho como dar tal coisa, dou oque posso!
Essa é a melhor de todas as doações. Dar oque você pode!
Parece estranho oferecer plástica estética numa hora dessas não acham?
Pois eu não!
Aumenta a auto-estima! Pense em se olhar no espelho, e ver todos os dias as marcas de um dia que gostaria de esquecer?
Auto-estima e vaidade são diferentes. Precisamos da auto-estima para seguir em frente.
Mas auto-estima também pode ser tratada de outra forma: carinho!
Dar atenção à eles, simplesmente ouvindo, já é uma grande coisa.
Tocar as mãos, arrumar os cabelos, abraçar, ajudar na escolha de algo, andar de mãos dadas...são pequenas coisas que nós, brasileiros, sabemos fazer, e muito bem!

Essa semana meu filho estava doente, pegou influenza. Deixou-o um pouco frágil até mesmo emocionalmente, acrescentando a entrada na adolescência.
Como ele ficava manhoso, vinha a mim sempre com ares de coitadinho. Uns dias atrás falei pra ele: Vamos para Sendai? Ele olhou para mim e perguntou assustado: Por quê???
Respondi pra ele: Você fica aí choramingando com dó de si mesmo. Então, vamos lá, ajudar em alguma coisa, assim você não pensa em si apenas. Ajudar é tão gostoso! Ser voluntário! Fazer alguém feliz!
Ele olhou para mim e não disse nem sim nem não. (sabe que lá precisam de ajuda)
Tenho ensinado a ele a mudar essa emoção negativa que tem dentro de si. É difícil, pois sempre arruma argumento. Fase. Mas sei que tem um bom coração, pois já vi fazendo coisas boas.
E é como uma semente que estou plantando, um dia germinará.

Enquanto ficarmos com dó de nós mesmos, ficaremos a choramingar pelos cantos, criando pânico.
A partir do momento que nos preocupamos com alguém, esquecemos de chorar, preocupados em fazer alguém feliz!

No momento é inviável alguém ir até Sendai (eu seria mais uma boca para alimentar lá), falei isso para o meu filho para ver a reação dele.
Mas já havia pensado nisso. Gostaria muito de ir lá como voluntária, ajudar a cuidar dos velhinhos que perderam tudo oque tinham. Principalmente ouvi-los, acalmar seus corações.

Com as doações que moveram muitas comunidades, associações e países, não há de faltar nada, é só eles pedirem!
Mas cuidar do ferimentos da alma...mais difícil !




Energias positivas, fé, otimismo!


                                                    
Vamos então fazer oque está ao nosso alcance no momento!
Aquecer os corações feridos e aumentar a auto-estima de quem precisa, sem querer nada em troca!

Vamos nessa?

Parem com a histeria!

Essa foi a semana mais conturbada para todos que moram aqui no Japão.
Os tremores ainda continuam, porém, com menos intensidade, e o problema da Usina de Fukushima persiste em deixar muitos apavorados. Falta de informação.
Já disse aqui sobre o exagero da mídia mundial em relação ao que está acontecendo, mas muitos ainda não entenderam.
A repercussão de noticiário da tv brasileira transmitida lá e aqui tem sido o pior meio de esclarecimento, mostrando somente imagens catastróficas, com narrações exageradas, e informações a desejar. Porém, com a rapidez do Twitter, digo que muita coisa é esclarecida EM TEMPO REAL!
Ontem, no Facebook, postaram esse vídeo que achei de muita importancia, para mostrar que não é somente nós, da turma de brasileiros que pesquisam, que está o apelo para que a mídia PARE com o histerismo.
Daniel Kahl é americano, mora no Japão e aparece na tv japonesa em vários tipos de programas de variedades, atualmente vejo-o mais na NHK. Muito conhecido, domina a língua japonesa, e tem um certo carisma. Vocês poderão ver os comentários deixado no vídeo dele que há japoneses deixando seu recado. Inclusive, um comentário que diz: Daniel-san, você fala inglês! rs.





Está em ingles, mas acho que um pouco dá para entender o apelo: PAREM COM A HISTERIA!




Recebi da @SilviaSatie no Twitter essa matéria e achei interessante postar para que todos saibam a verdade.
Ouvi muito dizerem que o governo está escondendo informações.
De uma certa forma, tento esclarecer, mas como diz um grande pensador, faça ou não faça você está certo! Então...acredite ou não acredite, você está certo, pois está de acordo com sua consciencia, naquilo que acredita!
Porém, a gota d água foi o e-mail que meu marido recebeu da minha cunhada dizendo a mesma coisa!
A íntegra da reportagem você encontra aqui. Transcrevo alguns trechos apenas para se ter idéia da entrevista.

               ¨Pergunta: Qual é a sua análise do problema registrado na usina nuclear de Fukushima, no Japão?


               Appoloni – Estou vendo um catastrofismo exacerbado no noticiário de algo que é um evento triste, um evento sério, mas não é para fazer o mundo parar por causa disso. Primeiro que o mundo não para. Segundo, o mundo é movido a energia elétrica. As pessoas que exigem que seus governos parem programas nucleares são as mesmas que chegam em casa e vão usar o microondas para fazer comida, vão usar energia elétrica para aquecer a casa e assim por diante. E não vão admitir não ter essa energia para usar no seu dia a dia. Principalmente se for no inverno e se for num país do Primeiro Mundo, onde aconteceu esse evento.¨


              ¨...Dizer, no Brasil, "vamos construir mais hidrelétricas", é não ter olhado dados como o do real potencial hidrelétrico que existe para explorar, é não medir a razão custo-benefício de inundar terras férteis para fazer isso e outros tantos problemas. Além do fato de que a malha energética não pode ser monolítica, não pode ter só uma fonte, porque, num período de estiagem, teríamos problemas sérios.¨


              ¨Pergunta: Voltando ao acidente atual, existe, no noticiário, o medo de uma repetição de Chernobyl, onde houve milhares de vítimas e um grave vazamento de radiação nuclear que se espalhou pela atmosfera.


              Resposta: É o catastrofismo. É claro que estamos diante de um acidente grave, mas ele é decorrente de um terremoto de escala 9. Comparar isso com Chernobyl é burrice. O acidente de Chernobyl foi provocado por falha humana num reator antiqüíssimo que, 10 anos antes, a comunidade internacional e a Agência Internacional de Energia Atômica já avisavam que tinham que ter sido desligados, porque a regriferação deles era a carbono. Mas como estávamos ainda em plena época da ditadura comunista na União Soviética, os organismos internacionais não foram ouvidos lá. Precisou acontecer o acidente.¨


              ¨...a diferença para 9 é muito grande, porque a escala é logarítmica. Nove não é 1 mais 8. Nove significa de 10 vezes mais que 8. São ordens de grandeza muito diferentes.¨


Bom, espero que vocês leiam a reportagem na íntegra, pois vai esclarecer MUITO a respeito DE QUEM está escondendo informações... Vejam oque ele diz sobre a Folha de S.Paulo.

Qualquer decisão que você tomar, estará certo!
Eu tomei a minha!

sábado, 19 de março de 2011

Estréia

Amigos que entram aqui para ver oque escrevo, agradeço de coração a visita de vocês.
Estou aqui para comunicar uma novidade: Na sexta-feira, dia 18, estreei no Portal Nippon, um site direcionado à comunidade brasileira aqui no Japão, como colunista.
Fiquei muito feliz, pois a estréia foi um dos post que fiz aqui!
E espero a visita de vocês lá também!

quinta-feira, 17 de março de 2011

1 semana após

Amanhã, sexta-feira, fará 1 semana do acontecido...
Ainda os noticiários mostram o perigo da Usina de Fukushima.

Essa semana, vários funcionários pediram a conta para voltar ao Brasil.
Estão com medo.
Recebi alguns recados perguntando de emprego.
Estão fugindo da área de risco.

Em tanto que se fala na explosão da Usina e da contaminação, que chega a ser contraditório.

Com a facilidade da internet, ficou muito fácil pesquisar. É só dar um click!
Um dos mais pesquisados é o Wikipédia, que tem em várias línguas.
Porém, até mesmo esse poderoso site de pesquisa, tem uma observação que diz que as informações podem sofrer alterações.
Como estamos vivendo ainda a atual situação, toda hora temos novas fontes, e é muito comum falhas, e comparações com o ocorrido no passado.
E devido a informações exageradas de algumas mídias, corremos sempre a procura de informações aqui e lá. Mas o nosso lado drástico sempre acredita que a pior (informação)  é a mais correta.


Aqui, tem um post sobre isso que achei muito interessante!

Muitos nem sabem que no nosso dia-a-dia usamos aparelhos que contém radiação.
Até mesmo para ir embora para o Brasil, no avião somos bombardeados de radiação!
Moro há 8 anos numa região que tem a taxa mais alta de radiação no Japão.
Aqui, vc terá idéia do que temos no nosso dia-a-dia e que contém radiação.
Na televisão e rádio, toda vez que há uma alteração na situação, especialistas e técnicos relatam ao vivo oque está acontecendo.
Primeiro-ministro apareceu várias vezes, e em uma dessas vi lágrimas que enchiam os olhos dele quando pedia ao povo japonês que tivessem calma e dessem a mão para reconstruir o país. O país, porque afetou indiretamente a todos, de norte a sul.
O Imperador também fez seu pronunciamento. Não pude ver, mas creio que o país parou para ouvi-lo!


Qual pai que gostaria que seu filho sofresse?
Qual pai deixaria seu filho à sorte?
É isso que sinto nas entrevistas que aparecem.
Que eles nos informam oque precisamos saber para estarmos preparados.

Um video que me enviaram mostra de uma maneira clara e animada oque está acontecendo. Pena que esteja em japones, mas tem legenda em ingles.


uma maneira divertida para entender oque está acontecendo.


E o pânico que paira nos ares desta nação ainda vai durar um bom tempo...pelo menos entre os brasileiros.
Noticias de que no Consulado do Brasil houve manifestações pedindo que o Brasil mande um avião para transportá-los, me deixa triste...
Notícias de que na Imigração muitos estrangeiros estão abarrotando os balcões para tirar o reentry...nem me fale.
Parece aquele ditado: cada um por si, Deus para todos.
Compreendo o desespero, porém, a falta de informações está complicando mais. E agora que o Japão vai precisar de nossa força, de nossa cooperação, estão indo embora.
O país que nos deu a chance de termos uma vida melhor que a do Brasil...o país que nos deu condições de que dessemos melhores condições a familiares no Brasil...o país que nos permitiu conhecer uma nova cultura...o país que nos ensina a cada dia a sua sabedoria... o país que nós usufruimos.

E agora?


Kokoro no kea 心のケア

Na segunda feira, logo depois de tantos noticiários, os canais de TV aos poucos voltam à programação normal, mas com avisos nas laterais e alertas dos terremotos.
Meu filho chegou para mim e disse: Mãe, esse comercial passa uns 10 direto, um atrás do outro! São diferentes mas passam. Ele achou engraçado e ao mesmo tempo estranho. Na verdade, tem uma vinheta no final que acaba *enchendo o saco*. rs.
Fiquei observando, e vi que ele disse a verdade. São vários comerciais super curtos que passavam e ainda passam um atrás do outro.

Ontem comentei isso com a mais velha que me falou o seguinte: Por causa do que está acontecendo no país, estão evitando de colocar comerciais de consumo apelativo. Isso em respeito aos que estão em dificuldades.
Parei e pensei: Sugoi! (Nossa, que legal!)

E observando melhor esses comerciais, realmente, não estão vendendo nada!São campanhas de conscientização. São como se mostrasse para a sociedade o lado humano das coisas. Que se todos agissem assim, teremos um mundo melhor. E isso se refere a tudo que possa imaginar. Desde a ajudar idosos a carregar as sacolas, sobre as regras de fumar, cuidados com o cancer do útero, a importancia do carinho, e por aí vai.

Entrei no site da AC Japan e assisti ao vídeo sobre como começou.

Lá, tem os comerciais que aparecem na tv.


Mas oque me impressionou mesmo foi oque minha filha disse sobre o respeito às vítimas da tragédia e ao que o país está passando com a usina de Fukushima.

As tvs abriram mão dos comerciais. É claro que não será para sempre, e aos poucos está se normalizando.
Um pouquinho de cada um, o respeito ao que estamos vivendo, tudo isso está no nosso dia-a-dia.
As imagens chocantes que temos desde sexta-feira passada ainda nos deixam depressivos.

Mas essas atitudes são oque nos faz ver que não estamos sozinhos!

domingo, 13 de março de 2011

Terceiro dia

Um domingo aparentemente comum por aqui.
Porém, na televisão ainda reportam o número de desaparecidos e mortos que aumentou.
Novas imagens mostram como foi em vários pontos oque aconteceu ali, na hora! Coisas de filme.
Com o problema da usina de Fukushima,  a empresa que gera energia na região, em entrevista coletiva relatou as medidas de emergência: racionamento de energia elétrica.
Saiu a listagem das cidades que terão racionamento de energia agora à tarde.
As cidades que se abastecem pela Toquio Denryoku terão racionamento alternado 2 vezes ao dia.
O primeiro-ministro, também em entrevista coletiva, pediu cooperação de todos os japoneses para erguer o país, e colaboração para a economia de energia elétrica.
 Ouvindo o primeiro-ministro, sinceramente, percebi os olhos cheio de lágrimas.

A televisão parecia ter voltado à programação, porém, a NHK ficou mais tempo, enviando mensagem que recebiam das pessoas que não conseguiam se comunicar por telefone.

As mensagens apareciam na tela da televisão e eram narradas.

                                                 Os numeros de telefones para deixar o recado.


Enquanto assistia ao noticiário da noite, minha filha pergunta: Mãe, onde nasci? Respondi que foi em Gunma-ken (um dos locais onde houve terremoto sem tsunami há 2 horas de Tóquio). Ela responde: ainda bem que viemos para cá, ne, mãe!

A cada nova cena, a tensão aumenta.
Que desespero!

Amanhã, muita coisa pode ser afetada na rotina de nossa região por causa da tragédia, como aconteceu em Kobe.

Vamos aguardar e ver o sol nascer mais um dia.




sábado, 12 de março de 2011

O outro lado

Não se fala em outra coisa senão o ocorrido no Japão.
Por mais que o país estivesse preparado para as catástrofes, não pôde evitar o ocorrido.
Porém, mesmo que tenha chegado a um número grande de mortos e desaparecidos, pelo tamanho do tsunami, poderia ter sido pior se o país não estivesse preparo.
Ou seja, oque tem que acontecer, acontece. É para abrir os olhos do mundo em relação ao que acontece com o planeta Terra. O cuidado que devemos ter para protege-la dos maus-tratos em prol da mordomia e do tal bem-viver.

Oque está acontecendo aqui hoje, deixou o país em estado de choque.
Os canais de televisão não param de noticiar, abriram mão dos comerciais, chamam especialistas para explicar oque está acontecendo.
O primeiro-ministro visita os locais e se manifesta em pronunciamento.
E agora o problema da Usina de Fukushima.
Sim, a usina pode explodir!
Muitos dos que moram nas proximidades já estão abrigados, deixando suas casas, e toda hora aparece na televisão como agir aos que moram após essa área de risco:
- Fechar portas e janelas
-Desligar ar-condicionado e exaustor
-Caso venha de fora, trocar a roupa do corpo
-Caso tenha que sair, use máscara e roupa que cubra o corpo todo
-Evitar sair para a rua


Tive uma experiencia dessas há alguns anos atrás, mas não era uma usina tão grande.
Senti a porta do apartamento sendo batido, como se alguém desse um murro nela.
Logo após, a sirene da cidade anunciando. Um medo grande bateu na hora. Não sabia oque estava acontecendo! Não houve necessidade de usarmos o abrigo.


Oque mais tenho notado, graças ao Twitter, é o tal sensacionalismo que está sendo feito em cima disso tudo!
Amigos que deram depoimento à canais brasileiros disseram que eles perguntavam se poderia colocar de tal forma oque a pessoa disse. Isso existe? É essa a informação que a televisão brasileira quer dar aos seus telespectadores? Quer criar panico aos parentes do Brasil?
No twitter tento sempre dar informações para que a pessoa esteja sabendo oque está acontecendo e se prepare. Não para desespera-las!

Porisso estejam ligados! Hoje, a televisão e jornal não são mais os únicos meios de comunicação que existe! A internet está um passo à frente, e bem mais perto da verdade!

Do cėu ao inferno

Hoje, 11 de março de 2011, sexta feira.
Como sempre, levanto e desço para mais um dia de rotina. Preparar o café para as crianças ,acordá-los e despachar para a escola. O tempo nublado, frio ainda.
Um dia em que me encontrava super bem logo cedo, sexta-feira, e um certo ar de especial no dia.
Ao sair de casa, vi que começava a chuviscar, e grata pelas crianças terem levado o guarda-chuva.
Ao entrar no carro, percebo que não é uma simples chuva... Era neve! Sim, em Março, neve! Estava fraquinho, mas até chegar ao serviço, engrossou e não acreditei!
Detalhe: não gosto de inverno! Adoro praia e não vejo a hora do verão chegar!
A parte da manhã foi tranqüila e gostosa. Mas, não sei por que cargas d'água, uma certa apreensão após o almoço.
Já de volta ao serviço, lá pelas 3 da tarde, o colega de serviço pergunta se senti o tremor. Não, nao senti nada! Ele dizia q foi leve, como uma tonturinha.
Corri para o twitter e lá vi que realmente estava acontecendo!
Procurei na internet mas não consegui até que mandaram um link da NHK World onde mostrava o inicio do tsunami! Fiquei estática !
Enquanto isso no twitter pude acompanhar os amigos que moram em Tóquio e saber como estavam.

As imagens eram inacreditáveis !
Os companheiros de Serviço ligavam seus celulares que tem tv para saber detalhes.
O pior de tudo isso é quando não temos notícias de pessoas queridas! Imagine quem tem parentes lá.
Notícias controversas aparecem de monte e acabamos como bobos, sem noção exata de como estão as coisas.
Tóquio não foi atingida pelo tsunami, mas os tremores não foram poucos! Um atras do outro.
Entre tuitadas daqui e dali, percebi a movimentação que havia quando alguns eram obrigados a ir para o refugio de emergência, oque deixava tudo mais sinistro ainda.
E nessa, deu para perceber a força do network onde pode ajudar muito na hora do pânico, com notícias de parentes e amigos.
Muitos tiveram que dormir fora de casa, deixando sua própria família por não ter como voltar para casa. Os trens e metrôs pararam, e quando isso acontece em uma metrópole como Tóquio, a cidade pára! Pior é que ainda estamos no final do inverno. Alguns tiveram sorte de ir para casa de amigos que moram perto, outros, menos sorte, dormiram em locais públicos, se acomodando com papelões nesse frio. O celular estava congestionadissimo. E-mail voltavam, alias, nem iam... Apenas a internet continuava fluindo bem, e foi onde pedia-se para não utilizar o celular, para que descongestionasse para as emergências.
Sentia um certo pavor ao ver as imagens pela tv, e imaginava como estariam os amigos que estavam dentro da situação.
Os refúgios foram muito utilizados! Vários alertas foram dados para correrem aos abrigos. Uma amiga comentou pelo twitter que foram muito atenciosos com ela e a família! Não sei se existe treinamento para tal, pois todo ano muda a diretoria do bairro, pode ser que seja pela prefeitura.
A noite, ainda com muitas imagens da tv e informações do twitter, devo ter ficado impressionada, e não me sentia legal.


Dia seguinte-sábado

Hoje, após um dia cheio de surpresas, aos poucos voltando ao normal para as áreas menos atingida. Em Tóquio, os trens começaram a circular aos poucos. A estação Shibuya parecia um formigueiro! Todos querendo voltar para casa. Uma amiga comentou que levou horas para chegar em casa, quando o normal seria uns 45 minutos.
Vai demorar para que tudo volte ao normal, e principalmente para que passe o trauma, o susto desse dia para muitos!

Do céu ao inferno... Um dia feliz que termina em tragédia.

Moro em Gifu-ken, fica longe do local da tragédia.
Ps.: o twitter, Facebook foi uma grande ferramenta para informações em tempo real!


Aqui, o blog do Ale  onde está sendo atualizado constantemente sobre oque ocorre desde sexta-feira.

terça-feira, 1 de março de 2011

Apresentação

Hoje vim para apresentar a todos vocês, que me visitam e seguem , o meu novo blog.
Nele tenho a intenção de postar fotos que eu mesma tiro, de qualquer coisa. São fotos tiradas no celular, e que muitas vezes não saem boas, mas oque vale para mim é o momento que ficou registrado.
Fotos do cotidiano, bizarras, interessantes, vai ter de tudo!
Espero que gostem e sigam também!
E, é claro, esse continuará ainda, onde compartilharei idéias e pensamentos!

Flashes de Vida é o nome do novo blog.

Espero vocês lá também!


Ps.: Se com um já não postava tanto, imagina com dois??? Vamos ver oque dá! rs.

Bjos